"Ele não aguentava mais, não. Nem mais um segundo daquilo podia suportar. Seus olhos molhados embaçavam a visão do oceano, que foi para onde correu, já sem mais para onde se afundar se não ali."

I love you… right?

Dia 4, 29/05/14.

Muitas coisas ruins já me aconteceram… é fato. Não suporto admitir, mas sofri com os danos dessas ruindades e alguns deles se tornaram permanentes… também é fato. Nunca tive coragem de compartilhar as sabotagens que minha mente adora fazer comigo, tudo porque se acostumou à sofrer e não sabe mais desfrutar da calmaria dos sentimentos simples. Eu sinto tantas coisas que não sei dizer, sinto tantas coisas que não sei… sentir. Mas sei que estão ali, sei disso. Porém, o que os outros irão pensar disso? Ora, isso não importava nem um pouco, afinal eu era solo. Era. Agora eu sou duo, encontrei alguém que sentiu-se satisfeita com a minha simples presença, meu conturbado jeito de ser. Mas… e aí? No começo claro que tudo não passa de um mar de sensações de tirar o folego, aquela coisa toda de não pensar em mais nada a não ser aquela pessoa especial que você conseguiu adicionar à sua vida como sendo “mais que amigo” e “mais que muito mais que amigo”, pois bem, parabéns, você acabou de adicionar uma namorada à tua vida. Eis que em meio à calmaria, seus pensamentos, seus danos… tudo vem à tona e agora milhares de vezes mais fortes. Você não entende nada. “Ora, não devia ser o contrário agora que não estou mais só?!” é o que você se pergunta… Mas logo a resposta vem do alto de sua mente: “agora você tem que se preocupar com o que outra pessoa vai achar de tuas loucuras, agora você tem o que perder, não é mais solo.” pânico imediato, o qual você decide carregar consigo sem dar nenhuma pista de que algo está errado. Tudo bem. Isso até o momento em que como de costume sua mente começa a te pregar peças e te faz sentir como se nada pudesse ficar bem, como se a única saída fosse arrumar problemas onde não tem. Mas, sabendo como sua própria mente é por conta do bom tempo convivendo com seus fantasmas interiores, você sabe que nada vai passar até que coloque para fora tudo que está pensando, mesmo que seja a mais pura bobagem. Então você o faz, morrendo de medo de estragar tudo, em um dia em que tudo não devia passar de uma ida à uma cafeteria com aquela pessoa que você mais ama, você decide contar o que sequer sabe o que é. Você o faz, toma alguns minutos que poderia ter gasto em beijos falando sem pensar… em termos, apenas colocando tudo pra fora, não se importando com o quão insanas as coisas poderiam soar. Você termina morrendo de medo de ter estragado tudo. Em troca recebe a mais incrível das respostas: “Vai ficar tudo bem.”, sua certeza de ser um erro ali presente só aumenta, mas então é forçado pela unica pessoa que importa à enxergar o que sempre se nega à ver: não tem nada de mais nisso tudo, você afinal não é um erro, só um fruto de momentos ruins que passou, momentos estes que irão deixar sua mente aos poucos para serem substituídos por momentos puros de alegria, os quais você não criará sozinho. O que leva uma pessoa à amar outra que sequer consegue diferenciar a grandeza de seus próprios sentimentos? A dar o total apoio quando você tomou uma decisão completamente atrasada em sua vida? Eu não sei… Mas sei que por mais que isso tudo possa ter soado confuso, hoje já não me encontro mais em meio a tanta confusão, tudo por conta de longas cinco ou mais horas no terraço de uma cafeteria, abraçando à pessoa mais incrível que tive o prazer de chamar de minha. A pessoa pela qual quero aprender a voltar a sentir tudo de forma simples, apenas para desfrutar de forma limpa cada “eu te amo” que existir entre nós. Eu não poderia ter passado por um dia mais feliz onde tudo podia ter dado errado. Nunca achei que um dia chegaria a pensar “Bem, isso só pode ser um presente de Deus” de alguém sendo que mal sei das crenças que tenho. Mas foi justamente o que aconteceu à mim naquela quinta-feira à noite, e só tenho à agradecer pela pessoa mais gay que eu poderia ter encontrado também ser a única pessoa que realmente posso chamar de minha. E consequentemente, essa pessoa também acabou sendo minha força de partida para começar a viver uma vida que estive 18 anos esperando começar. Sei que isso não descreve em nada o que senti, nem transmite a mísera porcentagem de felicidade que tive, porém… Não posso negar que foi esse um dos melhores dias da minha existência. O dia em que entendi que necessitamos ignorar certas coisas para nos lançarmos a um mar repleto de novas coisas.

"Every moment in life is an act of faith."
Paulo Coelho, Brida (via feellng)
New Jacket!

Dia 3, 29/05/14.

Esse dia foi um daqueles de “explosão”, que é como denomino os dias em que ao passar das horas tudo parece entediantemente normal, mas então algo acontece do nada, ou eu mesmo simplesmente decido fazer algo do nada e: tcha-ram, a coisa dá certo e meu dia fica completamente bom. Foi o que aconteceu nessa quarta-feira. Um tempo antes, havia decidido que queria uma jaqueta ou blusa de frio nova, por conta de só estar com uma que me agradasse e estarmos numa época de frio intenso em São Paulo, foi então que fui xeretar na minha pasta de favoritos relacionada à estilo e afins, até que achei a blusa de frio perfeita. Decidi comprar na hora, porém teria que esperar até receber dinheiro, me conformei. Então, voltando à quarta-feira, desconformei. É, fiqu ei enchendo tanto minha querida avó, que consegui o cartão de crédito dela e pude comprar a jaqueta que eu tanto queria na internet. Apesar de ter 18 anos, não trabalho, então não vejo muita necessidade de ter um cartão de crédito, isso pode ser ruim as vezes mas nada que um pedido com a quantidade certa de carisma à um dos parentes não resolva. Por fim, realizei a compra da minha jaqueta e fiquei feliz da vida, e isso se tornou o que de melhor fiz naquele dia. Agora estou naquele processo meio chato de aguardar a entrega, então logo, talvez, eu poste uma foto da minha jaqueta aqui.